A Queda de Argus Parte 2

by luizcsilva on 19 de abril de 2018

Na semana passada falamos sobre o passado distante, quando o ex-mago Thal’kiel de Argus tentou destruir o Duumvirato que governava seu povo, o Eredar, e governar como um tirano. Como um bruxo, Thal’kiel ficou conhecido como o primeiro dos Man’ari, uma palavra que significava “não-naturais” na língua Eredar. Mas graças aos esforços heróicos do próprio aprendiz de Thal’kiel, Archimonde, o Bruxo foi morto, Argus foi salvo e a corrupção foi afastada por um tempo.

Infelizmente para o Eredar, o tempo era algo que a Legião Ardente tinha que desperdiçar.

Argus | World of WarCraft, WarCraft, wow, azeroth, lore

A podridão rastejando

Archimonde tinha muitos pontos positivos. Ele era um líder carismático e inspirador que liderava pelo exemplo. Quando Archimonde decidiu que Thal’kiel tinha que ser parado, ele não deixou que alguém assumisse o risco de se opor aos Man’ari e seu exército de demônios. Ele foi até o Duumvirate de Kil’jaeden e Velen e disse a eles que poderia parar seu antigo mestre e liderou pessoalmente o ataque que fez exatamente isso. Kil’jaeden era ao mesmo tempo sutil e inteligente, e Velen era ao mesmo tempo sábio e justo, mas Archimonde era corajoso e sua coragem fazia com que os outros se sentissem corajosos. Com o tempo, ele se tornou um igual aos dois líderes do Eredar, um membro do seu Triunvirato. Os três trabalharam juntos para proteger seu povo.

Mas Archimonde já havia garantido sua queda.

Após a morte de Thal’kiel, Archimonde teve sua cabeça decepada (a que o próprio Archimonde cortou dos ombros de seu mentor) banhada em metais mágicos especiais para preservá-la e pendurá-la em sua própria residência. Tanto Archimonde como seu ex-mestre tinham sido estudantes de frenologia – eles mediram obsessivamente crânios, inclusive os seus, e Thal’kiel sustentou por muito tempo que a forma dele provava, sem sombra de dúvida, que sua instalação mágica era suprema. Archimonde sentiu um certo frisson de supremacia por ter assim preservado o crânio de seu mestre.

Mas a cabeça não estava morta. Ou, para dizer com mais precisão, estar morto e coberto de ouro mágico não impediu a coisa de sussurrar em Archimonde. E encontrou terreno fértil na mente do aprendiz de Thal’kiel, que era um ser impulsivo. A força de Archimonde como líder era que ele era corajoso e ousado, outros queriam segui-lo e sua sublime confiança. Sua fraqueza era que ele era impulsivo, disposto a pular antes de olhar. Isso foi equilibrado pelos outros membros do Triunvirato ao liderar, mas quando sozinho em sua residência com apenas a Caveira como companhia, não havia ninguém para contrabalançar a fome de conhecimento e experiência de Arquimonde.

Archimonde havia concordado com Velen e Kil’jaeden que o conhecimento que Thal’kiel recuperara através de seus estudos do vazio era perigoso demais, mas ainda se lembrava muito do que seu mentor lhe ensinara e ainda tinha fome de poder e conhecimento. Ele estava bem preparado para a vinda de alguém que lhe oferecesse todo o poder e conhecimento que ele poderia desejar.

Argus | World of WarCraft, WarCraft, wow, azeroth, lore

O Grande Ouro

Argus estava no auge de sua civilização, quando Sargeras considerou a hora de finalmente estar certo. Thal’kiel nunca teve a intenção de ter sucesso, pois os Eredar teriam sido menos úteis para Sargeras como uma população esmagada e reprimida governada por um único tirano. O Titã Caído precisava de generais, administradores, uma força unificadora para impor ordem a sua caótica Legião Ardente. As qualidades que ele mais valorizavam nos Eredar era exatamente aquelas qualidades que exibiram na derrota do Bruxo Man’ari – sua inteligência, sabedoria, sociedade coesiva e habilidade.

Quando Sargeras chegou a Argus, ele o fez não como um fervoroso corrupto de feltro aberto por dentro, fissuras e rachaduras em sua outrora majestosa forma. Sargeras escolheu um avatar que escondia muito de sua verdadeira natureza, uma forma que atraísse os Eredar e explorasse sua vaidade. Os Eredar eram inteligentes, magicamente poderosos, exploradores e descobridores, sim. E eles também estavam muito orgulhosos disso. Eles ansiavam por mais conhecimento, mais segredos. Arquimonde foi o principal exemplo desse traço do povo Eredar. E assim Sargeras apareceu para o Eredar como um ser radiante, um farol dourado de luz e poder muito parecido com o que ele apareceu uma vez antes de permitir que o Fel trabalhasse nele. Nesta forma, ele contatou as três cabeças do governo de Argus e as surpreendeu com sua sabedoria e poder. Em todos os seus muitos milhares de anos, os Eredar nunca haviam encontrado um ser como Sargeras.

E o que o Golden One disse a eles foi criado exatamente para combinar com o que eles mais queriam ouvir. Ele disse a eles que eles eram especiais, únicos no universo, que sua inteligência e percepção faziam deles a escolha perfeita para ajudá-lo em sua grande cruzada. Ele lhes disse que poderiam fazer parte de algo que mudaria o universo, aperfeiçoaria isso. Ele lhes disse que era o destino deles, com a ajuda dele, alcançar alturas de mestria e conhecimento que eles nem imaginavam. Ele lhes disse que havia sabedoria lá fora no grande vazio entre os mundos e ele mostraria a eles.

Não se engane, Sargeras chegou a Argus não como um conquistador ou destruidor. Ele veio para Argus sob o disfarce de luz, verdade, pureza e grandeza, prometendo fazer Argus primordial. O Eredar seria o seu povo escolhido, os mestres da Legião, trazendo a perfeição para todos. Foi uma oferta inebriante. Archimonde já estava meio convencido do destino de seu povo e rapidamente aceitou a oferta de Sargeras. Kil’jaeden, que era um pensador muito mais profundo, estava menos interessado na ideia de aperfeiçoar o universo – mas desde a demonstração original do poder demoníaco de Thal’kiel, ele tinha sido insaciável com uma luxúria para entender o que o antigo Mago tinha encontrado, de uma maneira que Thal’kiel nunca se preocupara em se aplicar para ganhar. Saber tudo era uma oferta muito doce para Kil’jaeden ignorar. Ele acrescentou sua voz ao de Archimonde, aceitando a oferta do Golden One.

Argus | World of WarCraft, WarCraft, wow, azeroth, lore

A Espera

Velen e Kil’jaeden eram amigos, quase irmãos, desde antes da existência do Triunvirato. Quando tinha sido um Duumvirate, os dois tinham governado em conjunto e sempre conseguiram encontrar um ponto em comum antes desse ponto. Agora, porém, Velen sentiu um grande mal-estar. Tudo o que o Dourado disse soou tão maravilhoso. Conhecimento sem fim, perfeição, estes eram os sonhos dos Eredar e tinham sido por milênios. O que poderia estar errado em finalmente alcançar o maior sonho de sua cultura? Sargeras estava oferecendo a eles o que eles sempre quiseram, a coisa que todos os Eredar tinham fome de alcançar. Por que Velen estava inquieto?

Velen, apesar de toda a sua sabedoria, não encontrou falhas ou fraquezas nos argumentos do Golden One. Como ele poderia negar seu povo quando Archimonde e Kil’jaeden o aceitaram? Em uma agonia de dúvida, ele foi até o santuário onde o precioso Cristal Ata’mal estava e meditou sobre esta antiga relíquia do passado desconhecido de seu povo, concentrando sua mente e vontade em uma tentativa de responder à pergunta que o atormentava. Se isso é bom, por que me assusta tanto?

Naquele momento, ele viu. Ele viu seu povo, radiante, transformado em seres quase divinos de sabedoria e conhecimento à frente das forças purificadoras do universo de Sargeras. Ele viu o sonho dos Eredar. E então ele viu o fogo coalhado, viu os Eredar se tornarem monstros horríveis que açoitavam o mundo depois do mundo limpo da vida. E ele viu Sargeras pelo que ele realmente era, uma coisa corrompida, um monstro que buscava a perfeição, mas viu o único caminho verdadeiro para aquela perfeição na aniquilação de todas as coisas. Para Sargeras, a única perfeição estava em um final.

Mas já era tarde demais para o Eredar. Tanto Archimonde quanto Kil’jaeden concordaram com a barganha. Velen não pôde salvar seu povo, nem todos eles.

What's your reaction?
Feliz
0%
Resenha dos Livros
Lore dos Personagens
Varok Saurfang | World of WarCraft, WarCraft, wow, azeroth, lore

Alto Suserano Varok Saurfang e a luta pela honra

Sylvanas Windrunner | World of WarCraft, WarCraft, wow, azeroth, lore

A Morte de Sylvanas Windrunner

Arathi | World of WarCraft, WarCraft, wow, azeroth, lore

A Ascensão do Arathi

Calia Menethil | World of WarCraft, WarCraft, wow, azeroth, lore

Calia Menethil a Última Herdeira do Trono de Lordaeron

Nathanos Blightcaller | World of WarCraft, WarCraft, wow, azeroth, lore

Nathanos Marris, o Blightcaller

Lâminas de Ébano | World of WarCraft, WarCraft, wow, azeroth, lore

A Linhagem Fordragon

Dranosh Saurfang | World of WarCraft, WarCraft, wow, azeroth, lore

E se o Bolvar Fordragon nunca se tornasse o Lich King?

Draeneis e Naarus | World of WarCraft, WarCraft, wow, azeroth, lore

Os Mistérios dos Draeneis e Naarus

Brigitte Abbendis | World of WarCraft, WarCraft, wow, azeroth, lore

Alta General Brigitte Abbendis

Draeneis Forjados na Luz | World of WarCraft, WarCraft, wow, azeroth, lore

Draeneis Forjados na Luz

Translate »
%d blogueiros gostam disto: