Patch 6.2 – Prévia da Raide: Cidadela Fogo do Inferno (Hellfire Citadel) [Oficial]

Avatar
by luizcsilva on 23 de junho de 2015

O Bruxo Gul’dan trouxe a Legião para Draenor ameaçando não só os povos como todo no mundo de Azeroth! E somente os generais da aliança e Horda podem defender os dois mundos!

O patch 6.2 terá uma nova raid onde os jogadores terão de enfrentar os últimos generais da Horda de Ferro e as forças da Legião que chegaram em Azeroth. A Blizzard preparou uma prévia apresentando todos os bosses da nova raid Cidadela Fogo do Inferno.

Quando Garrosh encorajou Grommash a iniciar a construção desta enorme fortaleza no coração da Selva de Tanaan para fazer as vezes de bivaque no ataque a Azeroth, ele chegou a sugerir o nome Fogo do Inferno, inspirando-se noutro lugar, pertencente a outra era. Ele sonhava ver os poderosos orcs de ferro alastrando-se pela paisagem intocada, muito diferente da aridez que vira em Terralém. Mas, se os tempos mudam, algumas coisas permanecem sempre iguais.

Situada no coração sombrio da Selva de Tanaan, a Cidadela Fogo do Inferno domina a paisagem, podendo ser vista em quase toda a área. Tendo desbravado os perigos de Malho Imponente e da Fundição da Rocha Negra, agora os heróis de Azeroth e Draenor terão que atacar esse bastião maligno — os horrores que lá habitam são uma ameaça constante a Azeroth.

Na Cidadela Fogo do Inferno, os jogadores poderão ganhar itens cujo nível varia entre 675 e 685, no caso do Localizador de Raides, e chega até o nível 735 na Dificuldade Mítica. Você também poderá somar uma mascote Rara, o Guardião do Ninho Corrompido,  à sua coleção. Será preciso ter no mínimo 650 de nível de item para entrar no Localizador de Raides.

 

O Baluarte de Ferro (área externa)

Ataque A Fogo Do Inferno

Com a ajuda da companhia mercenária Pavio Preto, a Horda de Ferro construiu um maquinário de cerco devastador às sombras da Cidadela Fogo do Inferno para ser usado no ataque às capitais de Azeroth. Com os tanques agora convertidos para funcionar à base de energia Vil, a Mestre de Cerco Mar’tak aguarda a ordem de Gul’dan para iniciar a ofensiva

Observações do Designer: Tal como os Espólios de Pandária no Cerco a Orgrimmar, este é um “chefe” de raide sem exatamente um chefe único para derrotar. Os jogadores terão que resistir a ondas de ataque, recuperando munição dos veículos destruídos e usando-a para alimentar os gigantescos Canhões de Fogo do Inferno que ficam no pátio. A vitória é alcançada quando os portões da Cidadela são rompidos.

 

Aniquilador De Ferro

Os diagramas do Aniquilador de Ferro foram encontrados na oficina do próprio Pavio Preto depois da queda de Orgrimmar. Foi inspirado nos poderosos construtos da Legião e projetado para ser a obra-prima desse goblin nefasto. O projeto foi concluído após a sua morte e representa o ápice do poderio militar da Horda de Ferro.

Observações do Designer:  No começo, pensamos no Aníquilus tradicional de Terralém, mas o lado mais mecanizado da Legião só está presente em uma invasão total, o que não parecia adequado à natureza do envolvimento deles aqui. Assim, preferimos uma releitura do Aníquilus que refletisse o ápice dos veículos de cerco influenciados pelos goblins que Garrosh trouxe para a Horda de Ferro: uma versão evoluída da Jaganata de Ferro que antes defendia Orgrimmar, revertida para usar energia vil.

 

Fossos de Mannoroth

Kormrok

Kormrok, que é tão velho quanto a própria Draenor, já governou Gorgrond. As criaturas da terra fugiam da fúria destrutiva desse magnaron gigante. Mas então veio a Horda de Ferro, aprisionando o monstro e tentando subjugá-lo. Eles não obtiveram sucesso… pelo menos até Gul’dan surgir com um poder vil a que Kormrok não conseguiu resistir.

Observações do Designer: O primeiro pavimento da Cidadela Fogo do Inferno é um reflexo de como a Horda de Ferro era antes da influência de Gul’dan, enquanto os superiores passam mais a imagem do Concílio das Sombras e da Legião. Junto com o maquinário de cerco, as feras enormes de Gorgrond eram o eixo principal da força invasora da Horda de Ferro. Assim, não surpreende que Gul’dan tenha tentado corrompê-las e potencializá-las com energias vis.

 

Pátio De Sangue

Alto Conselho Do Fogo Do Inferno

Milhares de orcs da Horda de Ferro aceitaram o sangue de Mannoroth, mas nenhum ficou tão poderoso quanto os três que estão diante de você. Dia Neromúrmur, mestre da magia caótica e pária de Lua Negra, ascendeu rapidamente ao poder — é mão esquerda de Gul’dan. Gurtogg, com sua insaciável sede de sangue, emergiu vitorioso em centenas de provações em combate. Ele se deparou com um adversário à altura uma única vez, num combate com o Mestre de Espadas Jubei’thos, que terminou empatado. Maculados pela doença vil, eles servem a Gul’dan tanto na condição de Altaguarda como de Conselho de Guerra.

Observações do Designer: Não podíamos, em sã consciência, fazer um raide com orcs vis em Draenor sem resgatar Gurtogg Fervessangue, o chefe brutal do Templo Negro, que traz de volta também sua famosa habilidade Ebulição de Sangue. Acompanham Gurtogg dois campeões de outros clãs órquicos, demonstrando a essência do poder de cada clã numa versão vil.

 

Kilrogg Olho Morto

Kilrogg Olho Morto, Senhor da Guerra dos Olhos Sangrentos, tomou o controle de seu clã depois de um ritual que lhe mostrou sua morte. Com este conhecimento, liderou o clã destemidamente em incontáveis campanhas, marchando rumo ao glorioso fim pelo qual anseia. Agora, com sangue demoníaco nas veias, Kilrogg aguarda na Cidadela Fogo do Inferno, esperando o momento em que ele — ou você — morrerá.

Observações do Designer: Depois que os curtas dos Senhores da Guerra mostraram o ritual sangrento que está no cerne das tradições do clã Olhos Sangrentos, sabíamos que as visões da morte teriam que ter um papel de destaque no encontro. Não se sabe se essas visões são imutáveis ou se, conhecendo seu próprio destino, o indivíduo pode modificá-lo…

 

Antecâmara do Fogo do Inferno

Sanguinávido

Tendo caído no coração do mausoléu Auchindoun, Teron’gor, tenente do Concílio das Sombras, devorou centenas de almas draeneicas, tornando-se uma abominação inchada. Agora, mais que um mero orc, Teron’gor abandonou seu antigo nome e adotou um novo: Sanguinávido.

Observações do Designer: Preparamos o terreno para este encontro em Auchindoun, reforçando ainda mais a regra que diz: se você não viu um chefe morrer, provavelmente não foi a última vez que o viu. Claro que o inverso da regra não é necessariamente verdade — Kael’thas manda lembranças. Em todo caso, Sanguinávido remonta a encontros como C’Thun e Yogg-Saron, nos quais os jogadores são devorados e têm que derrotar os espíritos que estão dentro da monstruosidade inchada para impedir que escapem e ataquem o raide.

 

O Tormento de Grommash

Umbramestre Iskar

Depois que os esforços de Iskar para ressuscitar Terokk e retomar o poder foram frustrados, Gul’dan aproximou-se com uma oferta e a promessa de quebrar a maldição ancestral de Sethe. Não mais preso ao chão, elevado das sombras e ainda um mestre da ilusão e do engano, a hora da vingança de Iskar se aproxima..

Observações do Designer: Se achou o Vidente Sombrio Iskar um tanto suspeito nas missões das Agulhas de Arak, você não se enganou. A criação desse encontro foi muito divertida para nosso grupo, a começar da premissa das ilusões e de um artefato que revela as ilusões a um único jogador, interligando esse conceito com diversas habilidades e interações.

 

Lorde Vil Zakuun

Alguns estudiosos da Legião especulam que, tratando-se de uma versão aprimorada do guarda vil comum, os Lordes Vis servem como impositores a serviço direto de Arquimonde. Sua crueldade só é igualada pela sua força bruta. Zakuun recebeu ordens de executar uma tarefa que exigia ambas as coisas em igual medida: dobrar a vontade de ferro de um orc, o desafiador e genioso chefe do Clã Brado Guerreiro…

Observações do Designer:  Esse Lorde Vil representa um tipo de demônio nunca visto pelos jogadores. Nossa ideia para esse encontro era criar uma espécie de “Retalhoso” desta área — ou seja, um inimigo forte no dano corpo a corpo, sem lacaios —, mas claro que ele tem uns truques na manga que deixarão os jogadores de cabelo em pé.

 

Brecha Vilanesca

Xhul’horac

Evocado por Gul’dan das profundezas da Espiral Etérea, Xhul’horac é uma das mais poderosas Assombrações do Caos — uma raça de seres do caos parasitários que fazem rasgos nos planos da realidade, consumindo e absorvendo as energias e os seres aí existentes. Gul’dan corrompeu Xhul’horac, alimentando-o com energia vil devastadora e usando seus poderes para abrir portais, através dos quais ele planeja reunir as forças da Legião Ardente.

Observações do Designer: Boa parte da arte conceitual dos chefes da Cidadela Fogo do Inferno começou na hipótese do que aconteceria se a energia vil atingisse partes do ecossistema de Draenor. Como seria uma versão vil de uma das assombrações do caos que vimos rapidamente no Sepulcrário da Lua Negra? Xhul’horac é uma resposta a essa questão. E a mecânica do encontro usa as polaridades da energia vil flamejante e do caos sombrio, que os jogadores precisam administrar enquanto lutam com uma criatura que tem um pé (ou tentáculo, no caso) em cada reino.

 

Salões dos Sargerei

Socrethar O Eterno

As almas dos maiores guerreiros draeneis são imbuídas em reluzentes constructos, servindo como Vigilantes eternos na defesa de seu povo. Originalmente membro do Conselho dos Exarcas antes de sua queda rumo à escuridão, Socrethar desvirtuou o mais sagrado dos rituais e usou um constructo vil distorcido para preservar sua alma após ser derrotado em Talador.

Observações do Designer: Outro nome já conhecido, Socrethar representa um dos líderes dos Sargerei com quem os jogadores lutaram em Talador. Sua alma está escondida em um construto, uma versão corrompida do primeiro chefe de Auchindoun, dando-nos oportunidade de brincar com uma ideia de chefe que não víamos desde Violâminus, lá atrás, no Covil Asa Negra: e se o jogador puder controlar um chefe de raide e usar todas as habilidades dele por um tempo?

 

Tirana Velhari

Quando Gul’dan levou sua dádiva aos Sargerei, Velhari já havia deixado claras suas ambições e subido na hierarquia com ferocidade brutal. Conhecida pelos inimigos como a Tirana, Velhari foi uma das primeiras a aceitar o toque vil, aumentando ainda mais sua perícia em combate. Velhari agora usa um arremedo do símbolo sagrado dos Naarus para indicar sua lealdade à nova ordem.

Observações do Designer: O conceito desta chefe começou com uma ideia simples: uma antipaladina ou “vindicante sombria”. Como lutaria uma versão corrupta de um vindicante draenei? Muitas das habilidades de Velhari brincam com a mecânica dos Paladinos, como geradores e consumidores de Poder Sagrado/Profano, auras e Guardiões dos Reis Antigos, e cada uma das três fases tem um tema correlato a cada especialização da classe Paladino.

Ascensão do Destruidor

Mannoroth

Sedento de sangue e brutal, Mannoroth era o impositor mais temido de Arquimonde, até sucumbir a um poderoso ataque da lâmina de Grommash. Mesmo após a morte, seu sangue foi usado por Gul’dan em uma barganha sinistra com a Horda de Ferro e aliados. Gul’dan e seus lacaios agora almejam reanimar os restos destroçados de Mannoroth para que ele possa continuar a servir à Legião.

Observações do Designer: Situado no topo da Cidadela, acima de toda a amplitude corrupta da Selva de Tanaan, esse encontro apresenta duas fases paralelas e opostas: primeiro, as agulhas vis agem comocondutores para os lacaios da Legião, mas, quando são destruídas, Mannoroth ganha mais e mais poder à medida que se reconstitui. A batalha começa com um grupo de canalizadores e seus lacaios, enquanto Mannoroth não passa de uma pilha de ossos no chão, e termina com uma batalha final contra ele, já completamente potencializado.

 

O Portão Negro

Arquimonde

Um dos eredar originais que traíram os draeneis de Argus para tomar seu lugar como mão sinistra do titã sombrio Sargeras, Arquimonde, o Corruptor, comanda o poderio militar da Legião Ardente. Ele chega a Draenor, cruzando o tempo e o espaço, a fim de garantir que a invasão de Azeroth corra como planejado e que Gul’dan não decepcione seus mestres da Legião.

Observações do Designer: Plantamos algumas sementes nas missões de aumento de nível para indicar que esse confronto poderia vir. Na linha do tempo original, Kil’jaeden era o intermediário por trás do acordo sinistro de Gul’dan com a Horda, mas aqui — graças à interferência de Garrosh — ele fracassou. Aí Arquimonde foi incumbido de terminar o serviço. Há algumas referências à antiga Batalha do Monte Hyjal (Chama da Ruína era obrigatória), mas Arquimonde aprendeu um monte de truques sujos nesse meio-tempo. Embora nesta batalha você tenha ao seu lado os maiores heróis de Azeroth e Draenor, nem mesmo eles podem ajudar você dentro da Espiral Etérea…

What's your reaction?
Feliz
0%
Resenha dos Livros
Lore dos Personagens

N’Zoth

Alonsus Faol

Alto Suserano Varok Saurfang e a luta pela honra

A Morte de Sylvanas Windrunner

A Ascensão do Arathi

Calia Menethil a Última Herdeira do Trono de Lordaeron

Nathanos Marris, o Blightcaller

A Linhagem Fordragon

E se o Bolvar Fordragon nunca se tornasse o Lich King?

Os Mistérios dos Draeneis e Naarus

Translate »
%d blogueiros gostam disto: